quinta-feira, 15 de outubro de 2020

Uma joia do património

Quinta da Aveleda - Maria do Céu. 2020

A Quinta da Aveleda é uma joia do património rural desde o séc. XVI. Neste local quase desconhecido está bem cuidado o património natural, arquitetónico, etnográfico e enológico.
A história de Aveleda perde-se no tempo e terá tido início, segundo a lenda, com a Velleda, uma profetisa antiga a quem se deve o nome. A partir do séc. XVI, sucessivas gerações de uma pequena aristocracia rural foram cuidando deste lugar mágico, até chegar a Manoel Pedro Guedes, que abandonou a capital para se dedicar à sua quinta em Penafiel e ao mundo dos vinhos.
Algumas docentes desta escola foram conhecer... Deixo-vos uma reportagem fotográfica.

segunda-feira, 5 de outubro de 2020

Passados 110 anos...

Proclamação da República 05.10.1910 - foto: Joshua Benoliel

No dia em que se comemoram 110 anos da implantação da República em Portugal (1910 - 2020), apenas um pequeno grupo de pessoas puderam assinalar o acontecimento devido à pandemia de Covid-19 que assola o mundo. 

Celebrações do cinco de outubro em 2020

Em 1910, à proclamação da República, assistiram milhares de pessoas na praça! O ambiente era de euforia revolucionária... 
Hoje, não houve (nem poderia haver) festa. Portugal, como outros países, está mergulhado num ambiente de medo em virtude do aumento de pessoas infetadas de da crise económica em curso. 
A sessão contou apenas com os discursos do presidente da Câmara Municipal de Lisboa e do Presidente da República e só foram convidados o presidente do Parlamento, o primeiro-ministro, os quatro presidentes dos tribunais superiores e cinco vereadores, um de cada força política representada na Câmara.
Fica o desejo de que no ano 111 da República celebremos também o fim da pandemia e, continuando a cuidar uns dos outros, possamos sair à rua sem máscara e dar abraços sem medo!

terça-feira, 14 de julho de 2020

14 de julho... É feriado!

O dia 14 de julho de 1789 foi um dos momentos mais significativos da Revolução Francesa.
É feriado nacional em França!
A fortaleza-prisão da Bastilha no séc. XVIII
No decorrer da Revolução Francesa, a 14 de julho de 1789, o povo de Paris cercou a prisão-fortaleza medieval da Bastilha e insistiu com governador da prisão - o marquês de Launay,  para que libertasse os presos encarcerados naquela fortaleza. 
Por entre gritos e confusão ninguém cedia. Na Bastilha misturavam-se presos de delito comum e presos políticos que se opunham ao regime absolutista protagonizado por Luís XVI. Havia até partidários da instauração da república... 
A tensão crescia assustadoramente!
A certa altura, do interior da prisão, foram disparados tiros que mataram e feriram dezenas de sitiantes. Estes, revoltados, tomaram e incendiaram a fortaleza

A Tomada da Bastilha - 14 de julho de 1789
"A Tomada da Bastilha é de um grande simbolismo, com a maior parte dos historiadores a atribuírem a este episódio o início da Revolução Francesa, embora ela tivesse sido iniciada, em termos políticos e ideológicos, dois anos antes. A Tomada da Bastilha representa a passagem de um poder a outro, do poder aristocrático e da corte ao do povo e da burguesia.
Contra a coroa ergue-se doravante o povo e os seus representantes eleitos, para quem o poder está no parlamento.  
A revolta da burguesia, a que se junta a oposição camponesa, leva ao desmoronamento do antigo regime. A partir da Tomada da Bastilha nada ficará como antes." [»»]
A esse momento simbólico  devemos grande parte da configuração atual dos regimes democráticos de cariz representativo e parlamentar que vigoram no ocidente.

Fontes:
Tomada da Bastilha in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consultada. 2020-07-14]. Disponível na Internet: 

sexta-feira, 10 de julho de 2020

Stop Bullying!
-Trabalhos de Alunos/as 8ºA

Este trabalho coletivo foi feito pelos alunos e pelas alunas do 8º A em Cidadania no 3º período.
Cada pessoa fez um diapositivo pela ordem do número de turma. A professora ajudou.

Foi no tempo da pandemia de covid-19 que nos confinou...


Para uma visualização adequada,
 escolha, nesta imagem, em baixo, à direita, ecrã inteiro. 🖵

domingo, 28 de junho de 2020

O Mundo Industrializado
-Trabalhos de Alunos/as

Cartaz da Exposição Universal de 1900.
Edições Montgredien et Cie, Paris.

O Mundo Industrializado 

Autora: 

Luana Tristão 
nº 13, 8º B 


com supervisão da professora de História:
- Dra. Anabela Soares

Este trabalho pode ser consultado 

sexta-feira, 19 de junho de 2020

Bom Jesus de Braga e Palácio de Mafra
- património mundial da UNESCO

Palácio Nacional de Mafra

Palácio Nacional de Mafra - fachada principal

O Palácio Nacional de Mafra foi mandado construir por D. João V, considerado monumento nacional desde 1910, é um conjunto arquitetónico barroco. Dele fazem parte: o paço real, a basílica e um convento. No interior estão várias coleções de peças de pintura e escultura portuguesa e italiana. 

Biblioteca do Palácio Nacional de Mafra
Possui ainda a famosa biblioteca, os carrilhões e um conjunto de seis órgãos únicos no mundo.


O Santuário de Bom Jesus de Braga

Santuário de Bom Jesus de Braga e escadaria monumental
O Santuário de Bom Jesus de Braga, é constituído por uma basílica, projetada em 1784 pelo arquiteto Carlos Amarante que só ficou e concluída em 1811 e uma escadaria monumental, alusiva à Via Sacra. Dele fazem parte também várias capelas, bem como o bosque com algumas espécies protegidas que é servido por um funicular. 
Em 1970 foi considerado um imóvel de interesse público e foi elevado a monumento nacional antes da candidatura a património mundial da  UNESCO.

Funicular e bosque do Bom Jesus - Braga

quinta-feira, 7 de maio de 2020

Centro Interpretativo do Românico



      




O Centro de Interpretação do Românico (CIR), promovido pela Rota do Românico, abriu ao público no dia 27 de setembro de 2018, na vila de Lousada.
O projeto expositivo deste grande equipamento de divulgação do património histórico-cultural distingue-se pelo arrojo da sua arquitetura contemporânea, mas igualmente pelas múltiplas experiências interativas proporcionadas pelos seus conteúdos museográficos.




O Centro de Interpretação do Românico (CIR), é constituído por uma superfície expositiva de cerca de 650 metros quadrados, distribuídos por um amplo átrio central e por seis salas temáticas: Território e Formação de Portugal; Sociedade Medieval; O Românico; Os Construtores; Simbolismo e Cor; Os Monumentos ao longo dos Tempos.
O CIR perfila-se, assim, como o cenário ideal para iniciar a viagem de descoberta da Rota do Românico e do seu território de influência, bem como da arte e simbolismo que marcaram Portugal e a Europa durante vários séculos da Idade Média.
A Rota do Românico reúne, atualmente, 58 monumentos, distribuídos por 12 municípios dos vales do Sousa, Douro e Tâmega (Amarante, Baião, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Cinfães, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel e Resende), no Norte de Portugal.





PRÉMIOS
  • Prémios Associação Portuguesa de Museologia 2019 | Categorias "Aplicação de Gestão e Multimédia", "Filme" e "Trabalho de Museografia"; Menção honrosa como "Melhor Museu do Ano".
  • Architecture MasterPrize 2019 | Categoria "Arquitetura Cultural".
  • MUSE Design Awards 2020 | Categoria "Design de Arquitetura" (Prémio Ouro).
  • A' Design Award & Competition 2020 | Categoria "Arquitetura, Construção e Estrutura" (Prémio Ouro).

Vale a pena visitar, num final de semana diferente, conhecendo ainda os monumentos inseridos na Rota do Românico...