quinta-feira, 7 de maio de 2020

Centro Interpretativo do Românico



      




O Centro de Interpretação do Românico (CIR), promovido pela Rota do Românico, abriu ao público no dia 27 de setembro de 2018, na vila de Lousada.
O projeto expositivo deste grande equipamento de divulgação do património histórico-cultural distingue-se pelo arrojo da sua arquitetura contemporânea, mas igualmente pelas múltiplas experiências interativas proporcionadas pelos seus conteúdos museográficos.




O Centro de Interpretação do Românico (CIR), é constituído por uma superfície expositiva de cerca de 650 metros quadrados, distribuídos por um amplo átrio central e por seis salas temáticas: Território e Formação de Portugal; Sociedade Medieval; O Românico; Os Construtores; Simbolismo e Cor; Os Monumentos ao longo dos Tempos.
O CIR perfila-se, assim, como o cenário ideal para iniciar a viagem de descoberta da Rota do Românico e do seu território de influência, bem como da arte e simbolismo que marcaram Portugal e a Europa durante vários séculos da Idade Média.
A Rota do Românico reúne, atualmente, 58 monumentos, distribuídos por 12 municípios dos vales do Sousa, Douro e Tâmega (Amarante, Baião, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Cinfães, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel e Resende), no Norte de Portugal.





PRÉMIOS
  • Prémios Associação Portuguesa de Museologia 2019 | Categorias "Aplicação de Gestão e Multimédia", "Filme" e "Trabalho de Museografia"; Menção honrosa como "Melhor Museu do Ano".
  • Architecture MasterPrize 2019 | Categoria "Arquitetura Cultural".
  • MUSE Design Awards 2020 | Categoria "Design de Arquitetura" (Prémio Ouro).
  • A' Design Award & Competition 2020 | Categoria "Arquitetura, Construção e Estrutura" (Prémio Ouro).

Vale a pena visitar, num final de semana diferente, conhecendo ainda os monumentos inseridos na Rota do Românico...









terça-feira, 24 de março de 2020

Epidemias e Pandemias ao longo da História

Epidemias e Pandemias ao longo da História 

Um post da professora de História: Lourdes Nogueira

A Peste Bubónica na Europa no séc. XIV

Doentes de peste bubónica
A peste bubónica é uma doença causada por uma bactéria presente em ratos pretos. Pulgas que morderam os ratos, ao entrar em contacto com os humanos, transmitem a doença, que causa febre, dores de cabeça, vómitos e um inchaço enorme dos gânglios linfáticos, além de manchas pretas ao redor da pele.
Proteção usada pelos médicos para evitar o contágio 
A doença espalhou-se por toda a Europa e estima-se que ela tenha matado mais de 50 milhões de pessoas entre 1343 e 1353. A falta de higiene, saneamento e, especialmente, o atraso da medicina na Europa, dificultou a contenção da Peste Negra, nome pelo qual ficou conhecida a peste bubónica. 
A peste bubónica é espalhada de pessoa para pessoa através do ar, bem como mordidas de pulgas ou ratos. Hoje, a estirpe é tratável com antibióticos.

A Peste bubónica no Porto em 1899
– Estabelecimento de Cerca Sanitária na cidade

Cerca sanitária à cidade do Porto em 1899
Foi há 120 anos, precisamente no Verão de 1899, que deflagrou um surto de peste bubónica no Porto, que causou várias mortes e obrigou as autoridades a declarar um cordão sanitário em volta da cidade, para impedir a propagação da síndrome pestífera, identificada como o bacilo de Yersin, que foi localizado em algumas das pessoas mortas e em ratos e gatos putrefactos na zona da Ribeira, mas que ficou, graças às fortes medidas sanitárias empreendidas, restringida à cidade do Porto.

Todavia, apesar desse cordão sanitário e outras medidas urgentes, de higiene e de saúde, implementadas em certas zonas da cidade e junto dos seus habitantes, essa endemia vitimou algumas dezenas de portuenses e alastrou a outras zonas altas da cidade, como a Rua de Santa Catarina.

Gripe Espanhola

Armazém convertido em hospital para acolher os infetados
Especialistas dizem que o coronavírus pode ser a maior epidemia da história desde a Gripe Espanhola. No entanto, o que foi essa pandemia?
A gripe espanhola foi uma variação do vírus Influenza (geralmente associado às gripes recorrentes e ao H1N1). A origem da mutação do vírus da gripe é desconhecida. Os casos tiveram início de 1917 e, desde então, ela colocou-se como uma das doenças mais resistentes de todos os tempos. A letalidade da gripe variou entre 6% a 8% durante o surto que durou de 1918 a finais de 1920).
Com estimativa entre 17 e 100 milhões de mortos ao redor de todo o mundo, a Gripe Espanhola infectou 27% da população mundial.

Varíola


A Varíola é uma doença que assolou a humanidade por muito tempo. Registos mostram que o faraó egípcio Ramsés II morreu da doença. A smallpox está erradicada no planeta desde 1980 graças a uma grande campanha de vacinação, mas entre 1896 e a sua erradicação, cerca de 300 milhões de pessoas morreram graças ao vírus.

Edward Jenner descobriu a vacina da varíola em 1796, a primeira vacina de todos os tempos. Apesar disso, a capacidade de vacinação global da doença, que tinha taxa de mortalidade de 30%, manteve-se na humanidade até aos anos 80. Transmitida por via aérea, a doença causa uma série de verrugas cheias de pus no corpo do infectado.

Tifo

O medo da febre tifoide nos Estados Unidos no início do século passado
 multiplicou as medidas de controle para os recém-chegados
Foto: Getty Images / BBC News Brasil
O surto de Tifo matou mais de 3 milhões de pessoas entre 1918 e 1922. As condições pós Primeira Guerra deixadas na Europa criaram um ambiente de miséria altamente propício para o desenvolvimento de doenças. Uma precária rede de saneamento e deteção acabou espalhando ratos por todo o continente, especialmente na Rússia.
O Tifo tem uma origem semelhante à da Peste Bubónica. A sua transmissão é justamente originada de pulgas que morderam ratos infectados. Os sintomas da doença são dor de cabeça e nas articulações, febre alta, delírios e erupções cutâneas hemorrágicas.

Cólera

A cólera é uma doença que ainda não foi erradicada e matou entre 1817 e 1824 milhares de pessoas ao redor do mundo todo. Acredita-se que essa tenha sido, de facto, a primeira epidemia que alcançou todos os continentes, ao contrário da Peste Negra, que se manteve na Eurásia e Norte da África.
O vírus da cólera provoca diarreia intensa e o portador da doença pode acabar morrendo por desidratação.
O seu contágio é similar ao de poliomielite: água e alimentos infectados pelo vírus são a principal maneira de infecção. Segundo a OMS, 100 a 120 mil pessoas morrem todos os anos devido à doença, que poderia ser erradicada com vacinação e saneamento básico universal.

Tuberculose

A doença que ataca o sistema respiratório acometeu e matou milhões de pessoas em todo o mundo.
Causado por uma bactéria – bacilo de Koch -, a tuberculose só conseguiu ser eficientemente tratada pela penicilina, antibiótico descoberto por Alexandre Fleming. Hoje, a doença é considerada controlada, mas ainda afeta regiões mais pobres do planeta e especialmente portadores de HIV.

Conselhos para evitar o contágio


Recolha feita em fontes diversas
Informação adaptada
março de 2020
Professora de História: Lourdes Nogueira

FIQUEM EM CASA!

segunda-feira, 2 de março de 2020

O Carnaval em Lazarim

As máscaras de madeira e a festa de Carnaval em Lazarim também são património cultural português.

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Nos 500 anos do Foral da Maia

Foral da Maia

Os forais foram atribuídos para consolidar o povoamento e proceder à organização do país e permitir também a melhor defesa. 
Os Forais Novos foram resultado da reforma de D. Manuel Ientre eles está o Foral da Maia.
O documento original desapareceu e o que se conhece é a transcrição contida no Livro dos Forais depositado na Torre do Tombo.
Fonte: Notícias da Maia on line

terça-feira, 24 de setembro de 2019

500 anos da viagem de Fernão de Magalhães

Fernão de Magalhães foi o navegador português que planeou a viagem e concebeu o projeto de circum-navegação da Terra, mas morreu numa emboscada nas Filipinas, em abril de 1521. 
Após a sua morte, os espanhóis rumaram às ilhas Molucas, que eram o objetivo principal da expedição, mas a armada dividiu-se.
E portanto os espanhóis reclamam este feito e comemoram...


No dia 6 de setembro 1522, a nau Victoria, o último navio da armada de Fernão de Magalhães e o primeiro a dar uma volta completa ao mundo, chegou ao porto de San Lúcar de Barrameda.
Sebastián Elcano prosseguiu a viagem, foi recebido pelo rei de Espanha e foi  recompensado com uma tença (subsídio vitalício) e um escudo de armas com a esfera do mundo. 
A primeira viagem à volta do mundo foi rapidamente divulgada e reconhecida como um enorme feito de navegação dos espanhóis. 
Mas... Sabemos que estes acontecimentos tmabém envolveram pelo menos um português!

Fonte: Os Dias da História - O regresso da Nau Vitória. Paulo Sousa Pinto Produção: Antena 2. 2017